Sei que ainda existe uma dúvida para muitas pessoas sobre como distinguir a diferença entre os sintomas do coronavírus e o da gripe comum então resolvi compartilhar um post do site WomensHealthBrasil com vocês. Veja abaixo:

A disseminação do coronavírus pelo mundo preocupa muitas pessoas. Mas, por mais estranho que seja ouvir palavras como “pandemia”, os dados mostram que os sintomas do coronavírus podem ser relativamente leves para a maioria das pessoas que contraem o vírus.

Um estudo recente publicado pelo Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças descobriu que, dos 44.672 casos de coronavírus que foram confirmados na China em 11 de fevereiro, mais de 36.000 (81%) desses casos foram leves. O estudo, o maior realizado até o momento no novo coronavírus, definiu especificamente “leve” como casos que não envolviam pneumonia ou envolviam apenas pneumonia leve.

Então, quais são os sintomas do coronavírus – e como eles são diferentes dos sintomas de um resfriado ou gripe? Aqui está o que especialistas em doenças infecções dizem que você deve saber:

Sintomas do coronavírus

Como você pode identificar que está infectado com coronavírus?

Tecnicamente, o resfriado comum é uma forma de coronavírus, ressalta o especialista em doenças infecciosas Amesh A. Adalja, MD, pesquisador sênior do Johns Hopkins Center for Health Security. Não existe apenas um coronavírus.

Além disso, é realmente difícil dizer a diferença entre um caso leve de coronavírus e o resfriado comum. Mesmo para os médicos, diz William Schaffner, MD, especialista em doenças infecciosas e professor da Faculdade de Medicina da Universidade Vanderbilt. Em vez disso, diz Schaffner, os médicos especificamente precisam testar o coronavírus para saber com certeza se alguém tem o Covid-19 em vez de resfriado.

Em geral, estes são os sintomas que você pode esperar do resfriado comum, de acordo com o Centers for Disease Control and Prevention (CDC):

  • Espirros
  • Nariz entupido
  • Coriza
  • Dor de garganta
  • Tosse
  • Gotejamento pós-nasal
  • Olhos marejados
  • Possivelmente febre (mas a maioria das pessoas com resfriados não tem febre)

Os sintomas de um resfriado geralmente atingem o pico de dois a três dias após a contração, diz o CDC.

E, de acordo com o CDC, estes são os sintomas do coronavírus:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar

Existe também um sintoma super comum que é o do Sumiço do paladar e olfato.

Os sintomas do coronavírus tendem a aparecer entre dois e 14 dias após a exposição de alguém, afirma o CDC.

O tratamento para casos mais leves de coronavírus e resfriados comuns também é praticamente o mesmo. “Trata-se apenas de tratar os sintomas”, diz Adalja. Não há “cura” para nenhum dos dois.

Como você pode distinguir a gripe dos sintomas do coronavírus?

Novamente, é realmente difícil. “Se dois pacientes estão na minha frente – um com um caso leve de coronavírus e outro com gripe – e me dizem seus sintomas, não posso diferenciá-los”, diz Schaffner. “Para isso, precisamos testar.”

Lembre-se também de que é muito mais provável que você tenha gripe do que o COVID-19. “Estamos no meio de uma temporada ruim de gripe, especialmente para a cepa da gripe B, por isso é muito mais provável que as pessoas tenham gripe que o COVID-19”, diz Richard Watkins, MD, médico de doenças infecciosas em Akron, Ohio e professor de medicina na Northeast Ohio Medical University.

Ainda assim, estes são os sintomas da gripe, de acordo com o CDC:

  • Febre ou febre
  • Tosse
  • Dor de garganta
  • Corrimento nasal ou entupido
  • Dores musculares ou corporais
  • Dores de cabeça
  • Fadiga
  • Vômitos e diarréia (mais comum em crianças do que adultos)

Pessoas com coronavírus podem ter sintomas semelhantes aos da gripe, diz Schaffner. “Tanto a gripe quanto o coronavírus irritam os tubos brônquicos, e isso produz uma tosse geralmente seca”, diz ele. “Esses dois vírus também podem fazer você se sentir pior em todo o seu corpo – você pode se sentir muito cansado e só quer ir para a cama porque não tem energia”. Tanto a gripe quanto o coronavírus também podem levar à pneumonia, diz Adalja.

O tratamento da gripe é diferente do tratamento com coronavírus. Enquanto você trata os sintomas nas duas situações, a gripe também pode ser tratada com o medicamento antiviral oseltamivir (também conhecido como Tamiflu). A vacina contra a gripe pode ajudar a evitá-lo ou, pelo menos, diminuir o risco de desenvolver complicações caso ocorra uma contração o vírus, diz Adalja. Não há nada semelhante para o coronavírus.

Sintomas do coronavírus: O que você pode fazer para se manter seguro?

Se você tiver febre ou tosse, ligue para o seu médico para obter orientação sobre os próximos passos, diz o Dr. Keith Roach, internista do New York-Presbyterian. A melhor maneira de diminuir o risco de contrair coronavírus – e basicamente qualquer vírus – é praticar uma boa higiene das mãos, diz Adalja. O CDC recomenda especificamente seguir estas etapas todas as vezes:

  • Molhe as mãos com água corrente limpa (quente ou fria), feche a torneira e aplique sabão
  • Ensaboar as mãos esfregando-as com o sabão. Ensaboar as costas das mãos, entre os dedos e debaixo das unhas.
  • Esfregue as mãos por pelo menos 20 segundos. (Quanto tempo leva para cantarolar a música “Parabéns pra você” do começo ao fim duas vezes.)
  • Lave bem as mãos em água limpa.
  • Seque as mãos usando uma toalha limpa ou seque ao ar.

Existem algumas outras coisas que você pode fazer:

“Evite tocar nos olhos, nariz e boca”, diz Watkins. “O COVID-19 pode permanecer na superfície por algumas horas, portanto, a desinfecção de áreas com lenços de alvejante é apropriada para reduzir o risco de transmissão.” Também é uma boa ideia fazer o possível para evitar pessoas que parecem estar doentes, diz Adalja.

E, para que conste, não: você não precisa usar uma máscara. O CDC não o recomenda e o cirurgião geral norte-americano Jerome Adams recentemente entrou no Twitter para dizer que elas “NÃO são eficazes” para impedir que o público em geral pegue o coronavírus.

Lembre-se também de que, em geral, é uma boa ideia ficar em casa se estiver doente (não importa o que você tenha) para evitar o risco de espalhá-lo para outras pessoas, diz Schaffner.

No geral, os especialistas recomendam praticar uma boa higiene das mãos e acompanhar as últimas notícias. “Vá a fontes confiáveis ​​para obter informações como o CDC”, diz Suzanne Willard, Ph.D., professora clínica e reitora associada de saúde global da Rutgers School of Nursing. “É uma nova epidemia e há muita coisa desconhecida. Existem muitas teorias sobre isso, mas atenha-se aos fatos.”

Fonte: WomensHealthBrasil

Comments are closed.